Santa Luzia realiza Encontro Regional de Serviços da Rede de Proteção à Mulher

 
A cidade de Santa Luzia foi sede, nesta quarta-feira (28), de Encontro Regional de Serviços da Rede de Proteção à Mulher, que teve como foco a capacitação promovida pela Caravana “Tecendo Redes”, da Secretaria de Estado da Mulher e Diversidade Humana (SEMDH). A realização do evento teve a parceria da Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Assistência Social.  As ações ocorreram durante todo o dia na sede do Centro de Referência e Assistência Social (CRAS).

A capacitação, que teve como público-alvo os integrantes do Poder Judiciários e órgãos que compõem a segurança pública e organismos de políticas públicas voltadas para mulheres dos municípios de Santa Luzia, São José do Sabugi, Junco do Seridó, Várzea, no Vale do Sabugi e também Passagem, que fica na Região de Patos.

Durante a capacitação, foram apresentados conceitos sobre as legislações referentes ao enfrentamento à violência contra a mulher, a exemplo da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006), da Lei do Feminicídio (Lei nº 13.104/15), e da Lei de Violência Sexual (Lei nº 12.845/13), bem como um histórico da atuação dos movimentos feministas e em defesa da mulher, e debates com os profissionais sobre a “Escuta Ativa”, que é a forma de escuta humanizada das vítimas, entre outras ferramentas.

“Achamos interessante fazer em Santa Luzia uma análise das fortalezas e obstáculos que os serviços encontram no dia a dia profissional. Cada integrante fez esse serviço, anotamos e ponderamos o que pode ser feito e melhorado. Ficamos satisfeitas com os resultados obtidos, pois, esse projeto é muito importante para salvar vidas”, ponderou Kaliandra de Ol
iveira Andrade, Gerente Operacional de Enfrentamento a Violência contra a Mulher da SEMDH.


De acordo com a subgerente de Políticas Públicas para Mulheres, Marissé Veiga Machado, a capacitação teve como objetivo trazer conhecimento sobre a importância do trabalho em rede para o combate à violência doméstica. Segundo ela, a mulher vítima de violência precisa ser protegida, mas, muitas vezes ela encontra barreiras para fazer uma denúncia por se sentir frágil, insegura, e ter medo das ameaças quem vem, na maioria dos casos, do próprio companheiro.

“Se faz necessário que o profissional realize uma escuta ativa que vá além de um simples atendimento, que ele possa conseguir identificar o real problema que a mulher está passando para que se possa fazer as devidas orientações e encaminhamentos necessários”, explicou.

Também estiveram presentes no evento a secretaria Municipal de Saúde, Ceciliana Medeiros, a presidente do Conselho Municipal dos direitos da Mulher de Santa Luzia, Luana Andreia, entre outros dirigentes e funcionários que compõem a gestão municipal; representantes da Secretaria de Estado da Saúde e 6ª Gerência Regional de Saúde; gestoras municipais de políticas para as mulheres dos municípios de São José do Sabugi, Junco do Seridó, Várzea e Passagem; louçeiras e quilombolas da Serra do Talhado e profissionais que atuam nos Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS); entre outras instituições.  

0 comentários

COMENTÁRIOS AGORA