Vereadores de Bayeux livram Berg Lima da cassação mais uma vez

 
Após mais de 12 horas de sessão, a Câmara Municipal de Bayeux livrou o prefeito Berg Lima (sem partido) da cassação do mandato, na noite de quinta-feira (3). O gestor foi mantido no cargo por uma diferença de um voto. Essa foi a segunda vez que o prefeito escapou de ser cassado pelos vereadores.

O pedido de cassação de Berg foi movido por Austero Santos, morador de Bayeux. A acusação contra o prefeito era de locação irregular de veículos, que teria gerado um prejuízo de mais de R$ 30 mil aos cofres públicos, e de não repassar valores arrecadados dos servidores ao Instituto de Previdência do Município (Ipam). No dia 20 de dezembro, a Comissão Processante da Câmara votou a favor da casação do mandato, de forma unânime.

A sessão extraordinária começou por volta das 9h30 e e se estendeu por todo o dia. A votação propriamente dita só aconteceu durante a noite de quinta-feira. Para Berg Lima ser cassado seriam necessários os votos de 12 dos 17 vereadores que compõem a Casa.

Como eram duas acusações, foram necessárias duas rodadas de votação. A primeira avaliou a suposta locação irregular de veículos. 

O resultado foi de 11 votos pela cassação, 5 contra e uma abstenção. Logo depois, a Câmara julgou a acusação de fraudes no Ipam e o placar acabou se repetindo. Dessa forma o pedido de cassação acabou sendo arquivado.

Se os vereadores tivessem decidido pela cassação de Berg, a cidade teria uma eleição indireta para a escolha do novo prefeito. Ou seja, o próprio Legislativo escolheria o prefeito.

O presidente da Câmara, vereador Jefferson Kita (PSB), disse que os votos a favor de Berg foram mais para evitar que acontecesse essa eleição indireta do que para absolver o prefeito. “Uma cassação de Berg resultaria em uma eleição indireta, em um vereador eleito para prefeitura. Os vereadores que votaram a favor de Berg só não queriam que a eleição fosse indireta.A Câmara não tem legitimidade nenhuma para conduzir um vereador à prefeitura”, afirmou.

JP online

0 comentários

COMENTÁRIOS AGORA