Crime que matou empresário de PATOS custou 5mil reais


Na manhã desta terça-feira, 30, os nomes de Francisco Avelino de Medeiros, conhecido por Xavier, e Arlan Andrade Medeiros, foram apresentados pela Polícia Civil e Polícia Militar em coletiva concedida à imprensa na Delegacia de Homicídio e Entorpecente de Patos.

Além da apresentação dos presos, foram exibidos os motivos pelos quais os mandantes agiram contra a Adalberto Avelino Júnior no dia 02 de janeiro de 2018, nas primeiras horas quando a vítima chegou ao estabelecimento comercial e foi rendido por dois homens que efetuaram os disparos contra ele o executando.

De acordo com o delegado de homicídio, Diego Beltrão, o crime contra Adalberto foge das características daqueles ocorridos em Patos, uma vez que o homem foi vítima de pistolagem. “Um cidadão de bem sendo vítima de uma pistolagem, um crime que os executores foram contratados para cometerem esse crime e tentaram simular como se tivesse sido, a princípio, um latrocínio”, disse.

O executor: A informação repassada pelo delegado é que os dois executores contratados, Karlos Henrique (Malukada) e um adolescente, teriam efetuado os disparos, porém, a Delegacia de Homicídio aguarda a conclusão do exame de local de crime para dá o desfecho final e explicar como foi o cenário do crime.

“Chegamos aos executores e a partir de então conseguimos obter indícios suficientes dos mandantes que seriam Arlan Andrade Medeiros, primo da vítima, e o seu pai Francisco Avelino de Medeiros, conhecido como Xavier”, garantiu.

De acordo com delegado, após a identificação dos mandantes, foi expedido os mandados de prisão temporária contra pai e filho.

Xavier foi localizado na residência de uma filha dele em Campina Grande após tentar localizar o seu endereço em Patos e não obter êxito. “A polícia vinha procurando ouvi-lo, mas o mesmo vinha demonstrando que estaria tentando fugir da culpa e, até então, não tínhamos o endereço, a família dizia que não sabia o paradeiro nem dele e nem de Arlan, mas, com o trabalho de inteligência conseguimos localiza-lo em Campina Grande”, disse.

Custo do crime: “Segundo informações, mediante pagamento de cinco mil reais e teriam contratado esses indivíduos que pertencem a facções criminosas aqui em Patos denominada Al Qaeda”.

Motivo do crime: A empresa Só pré-moldados foi o pilar do homicídio.


Adalberto (vítima) tinha uma sociedade com dois irmãos. Ele conseguiu obter 60% das ações da empresa juntamente com o irmão, tendo em vista que a partir daí iniciou-se ‘ciúmes’ por parte de Arlan e Xavier. Arlan chegou a trabalhar na empresa, porém, foi descoberto que ele estava desviando dinheiro, motivo pelo qual ele foi afastado da empresa.

"A partir daí começou a gerar mais raiva, mais rancor, mais inveja dos sócios majoritários e terminou levando a ceifar a vida de Adalberto por um motivo fútil desse", explicou.

Contradição: pai e filho se contradisseram durante o depoimento atribuindo um ao outro a culpa do homicídio.

Os presos prestaram depoimento ainda ontem, 29, e foram encmainhados ao presídio Romero Nóbrega, onde ficarão à disposição da justiça.

Patos Verdade

0 comentários

COMENTÁRIOS AGORA