Deputado Efraim Filho diz que País não pode parar por conta da Lava jato





 Às vésperas da divulgação da nova "lista" do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB), disse em entrevista ao jornal impresso Correio Braziliense desta semana que o Parlamento não pode ser "contaminado" pela Operação Lava Jato. "O Congresso tem de ter maturidade e separar a agenda das reformas da agenda política. Não podemos parar o Brasil para discutir exclusivamente a agenda política", afirmou.

Nos próximos dias, é esperado que Janot deflagre a abertura de 30 inquéritos contra autoridades baseados nas delações premiadas de ex-executivos da empreiteira Odebrecht. Os inquéritos devem ter como alvo ministros, senadores, deputados e governadores.

O líder do PT na Casa, deputado Carlos Zarattini (SP), prevê que as novas revelações vão criar "muito tumulto" no Congresso. "Na verdade se tentou sacrificar o PT, dizer que o PT era o culpado de tudo e agora estamos vendo o quê? Toda cúpula do PMDB envolvida em denúncias, toda a cúpula do PSDB envolvida em denúncias", declarou.

Zarattini citou reportagem, que revelou a proposta de acordo de delação premiada do operador financeiro Adir Assad. O operador disse ter repassado cerca de R$ 100 milhões para Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa), entre 2007 e 2010, na gestão José Serra (PSDB). "Evidentemente isso tem de ser investigado. Mas como eu disse: tudo vai atingir a todos os partidos porque o sistema de financiamento das empresas era adotado por todos", comentou

0 comentários

COMENTÁRIOS AGORA