Polícia Federal identifica 22 pessoas envolvidas em fraudes no Enem em sete estados; Paraíba integra lista



A Polícia Federal deflagrou, neste domingo, duas operações contra fraudes no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em oito estados. De acordo com informações da PF, a Operação Jogo Limpo cumpre 22 mandados de busca e apreensão no Maranhão, Piauí, Ceará, Paraíba, Tocantins, Amapá e Pará com o objetivo de reprimir irregularidades no concurso.
De acordo com informação da assessoria de imprensa do Ministério da Educação, não houve vazamento de gabarito. Já o Inep informou que as fraudes não comprometem a validade do Enem 2016 e que o calendário do exame será cumprido normalmente. O órgão informou ainda que os envolvidos no esquema serão devidamente eliminados e reforçou que a Polícia Federal responde pelas investigações.
A Polícia Federal informou ainda que conseguiu identificar o repasse de gabaritos via celular, por meio de uma moderna central telefônica, para candidatos situados em diversas partes do país. Os envolvidos podem responder por crimes contra a fé pública, o patrimônio, a paz pública, entre outros. Se condenados, as penas máximas aplicadas aos crimes ultrapassam 20 anos.
Já a operação Embuste, realizada em Montes Claros, Minas Gerais, cumpre 28 mandados, sendo quatro de prisão temporária, quatro de condução coercitiva, 15 buscas e cinco sequestros de bens.
escuta
Segundo a Polícia Federal, os envolvidos os esquemas já teriam, em 2016, fraudado ao menos dois processos seletivos em Minas Gerais e na Bahia e planejava fraudar o ENEM, “permitindo que pessoas não efetivamente aptas pudessem ter acesso aos cursos superiores, mediante o pagamento da propalada “compra da vaga”, especialmente o curso de medicina”, como informou nota oficial.
No decorrer das investigações, a Polícia Federal conseguiu identificar o repasse de gabaritos, mediante moderna central telefônica via celular, para candidatos situados em diversas partes do país, em evidente fraude ao ENEM/2016.
A partir da análise de gabaritos apresentados em anos anteriores, foram identificadas 22 pessoas que teriam apresentado respostas suspeitas de fraude e que fariam a prova novamente em 2016. As operações são promovidas pela Policia Federal em conjunto com o Instituto Nacional de Estudo e Pesquisas Educacionais Anísio Teiceira e o Ministério público Federal.
Fonte: Extra Online

0 comentários

COMENTÁRIOS AGORA